Reader Comments

Dietas Para Gurias

"Paulo Leonardo" (2018-06-20)

 |  Post Reply

na página principal

De vez em quando pensamos que somos o único estado a sofrer e temos desejo de voar para outro onde as coisas funcionem. Peguei um livro sobre isto incerteza e vi que, em 1939, um quarto da população da Grã-Bretanha estava subnutrida, sessenta e dois de cada 1.000 piás morriam antes de um ano e, em Glasgow, mais de cem. Os ricos davam um jeito pela saúde com médicos particulares, entretanto os pobres se acotovelavam diante dos hospitais sem serem atendidos. Com a competição, por fantástico que pareça, as coisas melhoraram.


Por 6 anos tinha gente que suspirava ao acompanhar uma casca de banana, quase chorava ao pensar em uma bacana salsicha e num chá potente. Se uma casa era derrubada pelos aviões e dentro dela estava o carnê de cupons, era preciso requerer outro cartão provisório, com complexidade. Até a família real fazia regime, presuntada em prato de ouro. O racionamento durou até 1954. Prontamente queremos explicar por que as vísceras são comidas na Europa com amo, sempre que por aqui, nas cidades enormes, são pouco consumidas. Gorduras como margarina, manteiga e algumas pra cozinhar não passavam de uma xícara semanal.


Leite em pó ficou uma iguaria. Uma lata por mês para as famílias. Apareceu o óleo de fígado de bacalhau pra crianças com menos de dois anos e grávidas. Após Pearl Harbour, surgiram o suco de laranja e tabletes de vitaminas cobertos de chocolate. E, imaginem, as meninas melhoraram sobremaneira e até morriam menos. Os que tinham dinheiro em 41 conseguiam comida em lata. O Mercado Negro grassava impune.


Em 1941, foi colocado um sistema de pontos. Além do racionamento, cada pessoa tinha certo a dezesseis pontos de enlatados de peixe, feijão, macarrão, sopa, tapioca e, provavelmente, aveia, outro cereal e frutas. A compra de comida era uma batalha de filas. As contas que as mulheres precisavam fazer para bem distribuir o racionamento em seus cupons era diária. O Ministério da Detalhes tentava oferecer uma alento aos ingleses. E elas se esforçavam.


Ferviam a pele dos animais pra conseguir um restinho de gordura. As receitas proliferavam nos caderninhos. Tendo como exemplo, aveia era tudo. 6 colheres de aveia, três colheres de gordura de rim, xícaras de água fria, uma cebola, ou nabo. A apresentação bem como era uma disputa. Só se podia comentar os ingredientes depois que todos haviam comido, nunca discutir sobre a briga durante a refeição e sim localizar tópicos agradáveis. Era preciso fingir e e aturar com cara interessante todas as faltas.


  • Palmirinha Onofre: "Se ficasse mais um pouco na Gazeta, sairia falecida"
  • 1 filé médio de peito de frango
  • quatro dicas para furar a dieta e mesmo desse jeito emagrecer
  • Leite, queijo e iogurte integral. São capazes de ser substituídos pelos light

Substituições. O café feito de pinhões e bolos caseiros com bicarbonato. Molho pra salada com óleo de soja, na verdade, os livros de cozinha da data estavam cheios de sobremesas sem açúcar, creme de leite inexato, e cozimento sem gás. E apresentaram-se as campanhas, como "A pá e a Vitória". E se cada um plantasse sua comida? Os grandes jardins ingleses e parques, jardins dos grandes castelos, tornaram-se hortas, vasos em Piccadilly, lajes cobertas de repolhos, pilotos plantando rabanetes nos aeródromos. As gurias colhiam frutas silvestres. Coisas estranhíssimas eram comidas e os pratos se pareciam com alguns de nossos melhores restaurantes de hoje, com flores comestíveis e matinhos. Tomate e cebola eram raros.


Uma dona de residência usava uma cebola por um mês para oferecer amo à comida e só desse jeito comiam a cebola. As frutas eram quase impossíveis. Uma visitante do zoológico viu um macaco comendo uma banana e se indignou, só pra encontrar logo que era uma batata vestida de banana pra mobilizar o macaco. Nossa amiga Neide Rigo seria a Ministra dos Alimentos com suas comidas econômicas e matinhos comestíveis. Era a ordem do dia.


Foi a glória da cesta de palha, um caixote abundante em papel de jornal e feno onde você colocava a comida bem quente, tampava hermeticamente e ela se cozinhava no teu respectivo calor. Panelas sobrepostas no vapor. A panela de pressão. As sopas eram o mais conveniente. Funcionavam como uma lata de lixo onde se punha tudo que sobrava ou era improvável de ingerir. Sopas ralíssimas engrossadas com aveia. As galinhas tiveram seus momentos de glória por causa de seus ovos, entretanto várias vezes não havia como alimentá-las. No fim de contas, descobriu-se que comer insuficiente era bom para a saúde.


Pessoal mais esbelto, colesterol baixo, menos doenças de coração. Batatas, uma comida que produz energia, cheia de vitamina C e vitaminas significativas. Se tiverem pouca carne sirvam-se de muita batata. Use a batata como apoio de todos os pratos. Todos os doces do chá podem ser feitos com batatas. Para doar impressão de açúcar, use cenouras nas massas. Os substitutos são respeitáveis. Passarinhos, coelhos, aves selvagens, esquilos, tudo servia como comida. É claro que havia mulheres mais jeitosas seriam as nossas chefs de hoje, conseguindo refeições até gostosas. Entretanto o mais comum mesmo era uma comida horrível, com a cozinheira e aqueles que ela alimentava se acostumando com um tipo de comida que até os anos 1950 não mudava, uma coisa insossa e sem graça. E é aí desta forma que aparece Elizabeth David, que passara a competição no Mediterrâneo e sabia o valor de um pimentão, uma laranja, um limão.


Nara Almeida é modelo e influenciadora digital. Tem 24 anos, um,sessenta m e quarenta quilos. O baixo peso é resultância de um câncer de estômago que descobriu em agosto —e o tumor se alastrou pro pâncreas e o peritônio. Desde que teve o primeiro diagnóstico, divide com seus um,9 milhão de seguidores do Instagram —muitos deles populares como Tatá Werneck e padre Fábio de Melo que lhe mandam com frequência mensagens de apoio —o dia a dia do tratamento. Por causa da doença, Nara não consegue consumir. Se alimenta somente a começar por uma sonda ligada ao seu corpo humano pelas narinas e que só sai com operação. Filha de pais separados, a guria nasceu em Imperatriz, interior do Maranhão, e foi construída pela avó materna desde pequena. A mãe mudou-se de cidade e, por questões financeiras, nunca mais conseguiram se ver de perto. Só retomaram contato nos últimos dias, com a existência da mãe pra São Paulo, onde Nara mora há dois anos. Se chegou até aqui é por causa de se interessou sobre o que escrevi por este post, certo? Pra saber mais informações sobre isto, recomendo um dos melhores blogs recursos adicionais sobre o assunto este tópico trata-se da fonte principal no assunto, encontre aqui recursos adicionais. Caso precise pode entrar em contato diretamente com eles na página de contato, telefone ou email e saber mais.



Add comment



Partnerzy platformy czasopism